Pedido de fim de ano: Quando o vírus revela o verme

Você pediu.

Me lembro como se fosse ontem: contagem regressiva, fogos, champanhe.

E você desejou com tanta força que quase dava para ouvir em voz alta.

Você pediu mais tempo pra você.

Pediu mais tempo para ficar juntinho de sua família, seu parceiro, filhos, seus amores…

Você desejou que o mundo inteiro se unisse numa só causa.

Que todos percebessem o quanto somos dependentes uns dos outros.

Você desejou um ar melhor para respirar.

Que a cidade fosse mais organizada, a vida menos atribulada, sem trânsito, buzina, que as pessoas não se esbarrassem no vai e vem frenético. Você pediu um tempo para sair do “piloto-automático”, queria não ter rotina.

Você pediu, lembra? Pediu e prometeu que neste ano iria se alimentar melhor – Regime não, reeducação alimentar – esse era o seu mantra.

Você queria que o dinheiro não significasse tanto na vida das pessoas. Que todos fossem tratados iguais.

Pediu, pediu sim vai, menos falsidade, nada de beijinho, abraços, apertos de mão.

Prometeu que quando sobrasse um tempo iria colocar a leitura em dia. Que iria passar a tratar as pessoas como gostaria que elas também te tratariam.

Confesse, você pediu todas as manhãs mais cinco minutinhos para o despertador. Quando na verdade queria mesmo era passar o dia todo deitada na cama sem ter nada pra fazer.

Você pediu que a vida não fosse tão corrida, trabalho, estudo, academia, cursinho… Quantas vezes eu peguei você amaldiçoando tudo isso?

Você pediu, ah como pediu, não ver mais a cara de seus colegas de trabalho, reunião nem pensar, ficar bem longe daquela falsa do escritório, lembra? – Nem pintada de ouro!

Você pediu, pediu não, implorou, queria ter todas as últimas novidades do mundo moderno made in China e agora taí.

Você queria que a violência diminuísse, então me diz: pra que serve aquela arminha que seu candidato tanto fazia? Agora, do que adianta ir pra varanda bater panela para o presidente que você elegeu?

Foi você quem pediu. Pediu não, exigiu. A volta dos médicos pra Ilha e agora minha filha, não adianta aplaudir os profissionais dos hospitais.

Logo você que sempre pediu para acabar com tantas regalias de dentro da cadeia, comer de graça e ficar o dia inteiro sem ter o que fazer, ironizava – Êeee vidão! – Agora é você quem pragueja que sua casa virou uma prisão.

Lá no fundo você pediu em silêncio pra chegar o apocalipse e acabar com tudo, assim você alcançaria a redenção.

Só que, quando todos os seus desejos se realizaram, você se apavora na ânsia de ter sua vida medíocre de volta, meu bem?

E como é que tudo isso eu sei?

É que eu sou sua consciência e não leva umas não, que eu peso na sua.

Cuidado com o que deseja!

Toni C.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s